quarta-feira, julho 23, 2014

Minha respiração embaça a janela da sala enquanto observo lá fora. O céu está escuro e no horizonte meio rosado, mostrando que a noite será fria. Escuto uma música ao fundo e alguém me puxa.


- Vamos dançar.
- Você sabe que eu não sei dançar. - digo pisando em seu pé e dando um sorriso de canto.
- Eu não me importo. - ele diz e me gira.
Me enrolo um pouco em minhas pernas cambaleando e nós dois rimos. Ele me puxa pra perto e só me balança pra lá e pra cá e eu me sinto segura, me conforto em seus ombros. Mas ele não pode deixar um momento fofo acontecer, como sempre, e me solta, começando a dançar meio duro chacoalhando as pernas e balançando os braços me fazendo dar gargalhadas. 

Passamos a vida toda procurando um relacionamento vivo, aquele em que o casal está sempre apaixonado e naquela loucura de amassos e beijos. Mas pra mim, um relacionamento de verdade é aquele em que as coisas são tranquilas, tem alguns momentos juntos, mas também existem os momentos que cada um faz suas coisas. Bom, devo confessar que pra mim essa parte de ficar um tempo separado é meio difícil, mas eu me controlo. É bom que tenhamos nosso tempo sozinho também, pra fazermos as coisas que o outro não gosta ou organizar as coisas e trabalhar. Mas ter equilíbrio não quer dizer que não somos apaixonados, existem os momentos de loucura, mas esses eu prefiro deixar só pra mim. 

A música acabou, ele beijou minha testa, saiu cantando a primeira música que veio a sua cabeça e voltou a trabalhar. 

terça-feira, junho 24, 2014

 Histórias sem um começo e  final. Histórias imaginadas durante um simples passeio ou ao som de uma nova música. Histórias que talvez você tenha vivido ou imaginou viver, ou talvez que não queira nunca viver. Sem começo por que nunca sabemos ao exato quando começam os contos de nossa vida e nem onde vão terminar, são inconstantes, voláteis e algumas vezes formam  raízes e se aquietam, formando assim, as histórias.

Popular Posts